Quero fazer Cursilho
Escola Vivencial
Deixe seu recado
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
Aula 03/04/17 - Moisés, O Libertador

ESCOLA VIVENCIAL DO GED DE PIRACICABA – 2017    

    

MOISÉS, O LIBERTADOR

03/Abril/2017

 

 

Moisés e a escravidão no Egito -: diz a Bíblia que Moisés foi um descendente dos hebreus que, obediente a Deus, libertou o seu povo de um cativeiro no Egito e liderou uma longa peregrinação de volta à terra de Canaã. Toda a vida de Moisés – seus atos, seus feitos e suas leis – está descrita em quatro livros do Pentateuco: Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

 

            A Bíblia relata que as tribos israelitas nômades de Canaã abandonaram a terra semiárida da região, devido a uma grande seca, e partiram para o Egito, mais ao sul. Chegando lá, foram escravizados e submetidos a trabalhos forçados durante longos anos. No século XII antes de Cristo (1.200 a.C.), a opressão egípcia chegou ao auge, quando o Faraó mandou matar todos os filhos homens do povo de Israel, pois os hebreus estavam se tornando mais numerosos do que os egípcios. 

 

            Nessa época, um casal da tribo de Levi teve um filho que, ao nascer, foi escondido por três meses. Não podendo mais escondê-lo, pegaram uma cesta de papiro, colocaram à criança dentro e a lançaram entre os juncos das águas do rio Nilo, observada por uma irmã do menino. A criança foi resgatada do rio por uma princesa do Egito, filha do Faraó, que se banhava no rio, e percebeu que era uma criança dos hebreus. A irmã, vendo o acontecido, pediu à princesa que a deixasse levá-lo de volta para a mãe, até que fosse desmamado. A princesa consentiu, e o menino foi levado de volta para a mãe, que o amamentou em segredo, e depois, ainda em segredo, devolveu-o para a princesa, que deu-lhe o nome de Moisés e o criou como filho, em ambiente palaciano.

 

 

A mudança de vida de Moisés -: o livro do Êxodo não diz como Moisés veio, a saber, que não era egípcio e sim hebreu. Mas conta que ele, um dia, saiu para ver seu povo no trabalho escravo e presenciou uma cena de brutalidade de um egípcio contra um hebreu e, revoltado, matou-o e enterrou-o na areia. O fato chegou aos ouvidos do Faraó, que mandou matar Moisés. Sabendo disso, Moisés fugiu para a terra de Madiã. Chegando lá, junto a um poço, viu alguns homens que agrediam as filhas do sacerdote da região, por uma disputa sobre quem daria água do poço ao seu rebanho por primeiro. Moisés afugentou os homens e deu de beber ao rebanho das mulheres. Sabendo disso, o sacerdote, chamado Jethro, mandou chamar Moisés e ofereceu-lhe trabalho. Moisés lá ficou e casou-se com Séfora, uma das filhas de Jethro. Séfora teve o primeiro filho de Moisés, chamado Gerson, e depois outros.

 

 

A sarça ardente -: No Egito, a opressão do povo hebreu continuava. Diz a Bíblia que Javé, vendo isso, chegou até Moisés, que pastoreava um rebanho perto do monte Horeb. Aí, apareceu a Moisés como uma sarça que ardia em chamas, mas não se consumia. Javé identificou-se como o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó. Mandou então Moisés para o Egito, para libertar o seu povo da escravidão. Moisés perguntou a Javé como ele faria isso, já que se considerava insignificante para tal empreendimento. Javé disse a Moisés que não temesse, pois Ele estaria sempre a seu lado, e deu-lhe uma vara com a qual faria milagres. À pergunta de Moisés como era seu nome, Javé disse simplesmente “Yah Weh (Eu sou)”.

 

 

Enviado de volta ao Egito -:  Moisés reuniu sua mulher e seus filhos e voltou para o Egito, onde procurou seu irmão Aarão e os anciãos de israel. Contou tudo o que Javé havia dito e foi, com Aarão, procurar o Faraó, que já não era o mesmo da época de Moisés e sim um seu filho. O Faraó negou-se a deixar o povo de Israel partir, mesmo depois de ver alguns sinais milagrosos que Moisés apresentou-lhe. O Egito foi, então, assolado por dez pragas mandadas por Javé, como furúnculos, gafanhotos e a última, que foi a morte de todos os primogênitos do Egito, inclusive o filho do próprio Faraó. Nessa ocasião, antes da praga agir, Moisés instituiu a Páscoa dos israelitas.

 

Vencido, o Faraó disse a Moisés que partisse com todo o povo de Israel. Ao chegarem ao mar Vermelho, foram perseguidos pelo exército do Faraó, arrependido de ter deixado os escravos partirem. Moisés tomou a sua vara e, com ela, abriu o mar, para que o povo pudesse atravessar (existem muitas teorias para explicar este fato de uma forma natural). Os soldados do Faraó, entrando mar adentro, foram afogados quando o mar se fechou.

 

 

A peregrinação pelo deserto -: os hebreus penetraram então no deserto rochoso da península do monte Sinai. Como o povo havia duvidado de Moisés e do próprio Javé anteriormente à libertação, o Criador condenou-os a vagarem por 40 anos naquele deserto, até que morresse toda a geração escravizada no Egito. Como faltasse alimento em muitas ocasiões, Javé fez cair sobre eles o maná. Finalmente, chegando ao monte Sinai, Moisés subiu ao seu cume, onde Javé lhe entregou as tábuas da Lei, que regeria os israelitas para sempre. Eram dez Mandamentos que até hoje são obedecidos também pelos cristãos.

 

 

A terra prometida -: quando Moisés passou das planícies de Moab para o monte Nebo, em frente a Jericó, Javé lhe mostrou toda a terra prometida, e falou: “Esta é a terra que prometi a Abraão, Isaac e Jacó, quando disse que a daria ao meu povo. Estou lhe mostrando essa terra, mas você não chegará até ela” (Dt 34, 4).

 

            Moisés morreu antes de atravessar as fronteiras da terra prometida. Estava com 120 anos. Foi sepultado no vale, na terra de Moab. Os israelitas fizeram luto por Moisés, durante trinta dias e então, sob o comando de Josué, entraram na terra da promessa.

 

Site criado com o sistema Easysite Empresarial da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA