Quero fazer Cursilho
Escola Vivencial
Deixe seu recado
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
Aula 03/07/17 - Os "Irmãos" De Jesus

ESCOLA VIVENCIAL DO GED DE PIRACICABA – 2017

 

OS “IRMÃOS” DE JESUS

03/Julho/2017

 

 

Os trechos polêmicos -: alguns trechos dos Evangelhos mencionam os “irmãos” de Jesus. A fé católica ensina que Maria teve somente um filho, Jesus, e que permaneceu sempre virgem, antes, durante e após o parto. Todavia, diante do ensinamento da Igreja, como explicar aquilo que se lê em Mt 13, 55: “Não é este o filho do carpinteiro? Não é Maria sua mãe? Não são seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?”. Ou ainda neste trecho de São Paulo Apóstolo: “... fui a Jerusalém para conhecer Cefas (Pedro) e fiquei com ele quinze dias. Não me encontrei com nenhum outro apóstolo, a não ser com Tiago, irmão do Senhor”  (Gl 1, 18-19).

            Lendo-se estes trechos ao pé da letra, fica a impressão de que Jesus teve outros irmãos, e que, portanto, Maria Santíssima não mais poderia ser virgem. Daí a conclusão dos protestantes (que quase sempre levam as palavras da Bíblia ao pé da letra, sem tomar em consideração a linguagem da época e os seus costumes, além de problemas de tradução) de que Maria não era virgem e que a Igreja Católica ensina em erro. É por isso também que consideram Nossa Senhora como uma personagem de modesta, senão de pouca importância dentro do plano de Deus.

            As respostas, porém, estão contidas nos próprios Evangelhos. Os dois Tiagos mencionados nas listas dos apóstolos são apelidados de Tiago Maior e Tiago Menor. O chamado Tiago Maior é filho de Zebedeu, e é irmão real do apóstolo João. Logo, este não é irmão de Jesus. O outro Tiago, o Menor, é filho de Alfeu, portanto, também não pode ser irmão de Jesus.

 

 

Algumas pistas sobre o problema -: no Evangelho de Marcos (Mc 15, 40-41), o evangelista, narrando o episódio da crucificação de Jesus, escreve: “estavam ali também algumas mulheres olhando de longe: entre elas Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago Menor e de José, e Salomé”. Esta Maria aqui mencionada não era a mãe de Jesus, pois era casada com Alfeu (lembremos que Tiago Menor era também conhecido como Tiago, filho de Alfeu). Então, ela não era Maria Santíssima. Poderiam os chamados “irmãos” de Jesus ser, de fato, seus primos? É preciso lembrar aqui os costumes judaicos daquele tempo e a pobreza da língua por eles usada.

            Quanto aos costumes, os judeus do povo, que não eram ricos, costumavam morar todos juntos em família, com os pais, os irmãos e irmãs casados e todos os seus filhos habitando na mesma moradia. Dessa forma, todos os primos moravam juntos e eram chamados de irmãos.

Por outro lado, a língua aramaica, utilizada especialmente pelos judeus da Galiléia, não tinha uma palavra específica para “primos”, usando para eles a designação de “irmãos”. Logo, fica mais fácil entender que os assim chamados “irmãos” de Jesus poderiam ser de fato, seus primos ou até mesmo parentes mais distantes.

  

 

A narração de Mateus -: já no Evangelho de Mateus pode-se ler: “estavam ali muitas mulheres olhando de longe... Entre elas estavam Maria Madalena, Maria mãe de Tiago e José, e a mãe dos filhos de Zebedeu” (Mt 27, 55-56). Conforme se pode notar, as mulheres presentes eram “muitas”, e nem todas foram nomeadas pelos diferentes evangelistas. O que se pode afirmar é que entre elas, havia algumas Marias.

 

 

O que diz São João Evangelista -: em seu Evangelho, São João expõe, de forma clara, que havia, aos pés da cruz, uma irmã de Nossa Senhora, ou seja, uma tia de Jesus. Ele diz que ela também se chamava Maria e era esposa de Cléofas. Ora, Maria de Cléofas não era irmã de sangue de Maria Santíssima, mas sim, provavelmente, sua prima. Temos então aqui outro exemplo da confusão entre “irmão” e “primo”.

Por outro lado, João não cita como presente a Maria, esposa de Zebedeu, citada por Mateus. Como descrito acima, eram muitas mulheres e muitas Marias. Cada evangelista nomeou aquelas de quem se lembrou na ocasião.

 

 

Em resumo -: a Virgem Maria concebeu Jesus sem concurso de homem algum e não teve mais nenhum filho. Isso é também reforçado pelo fato de que, na cruz, Jesus entrega sua Mãe aos cuidados de João. Onde estariam os “irmãos” de Jesus nessa hora? Se houvesse algum irmão (ou irmãos) de Jesus, não seria a ele (ou a eles) que Maria seria confiada? E a tradição católica prega que João cuidou de Maria durante muito tempo, até que ela foi assunta aos céus.

            Nos textos evangélicos e na carta de Paulo aos Gálatas, como vimos, há referências explícitas aos “irmãos” de Jesus. Inclusive são mencionados quatro deles: Tiago, José, Simão e Judas. Vimos que Tiago e José eram filhos de Maria de Cléofas, logo, também Simão e Judas o seriam, embora não fossem mais mencionados. Os outros dois Tiagos eram filhos de Zebedeu e de Alfeu, portanto não eram maridos de Maria, como alguns sugerem (dizem estes que Maria teria se casado outra vez após a morte de São José). Nada comprova esta afirmação, para os católicos, absurda.

 

 

Finalizando -: Jesus não teve nenhum irmão de sangue, e sim primos ou até mesmo parentes mais distantes, que naqueles tempos eram chamados de irmãos. O fato de Jesus ser chamado de “primogênito” não significa que houve outros filhos de Maria, por que esse termo é aplicado pelos escritores da Bíblia ao primeiro filho de um casal, independentemente de haver ou não outros filhos após o primeiro.

 

Site criado com o sistema Easysite Empresarial da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA