Quero fazer Cursilho
Escola Vivencial
Deixe seu recado
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
Aula 10/07/17 - As Bodas De Caná

ESCOLA VIVENCIAL DO GED DE PIRACICABA – 2017 

 

AS BODAS DE CANÁ

10/Julho/2017

 

O primeiro de muitos -: o milagre da transformação da água em vinho na festa de casamento na pequena cidade de Caná é considerado como sendo o primeiro milagre na vida pública de Jesus e sem dúvida um dos mais interessantes da longa lista de milagres realizados por Ele. Mas na realidade esse milagre tem, na sua essência, um acontecimento muito mais importante do que o milagre em si mesmo, que é a participação de Maria no seu desenvolvimento.

            O episódio está narrado em Jo 2, 1 – 11 e ocorreu em Caná da Galiléia, que hoje é a cidade de Kefr Kenna, a 10 quilômetros a nordeste de Nazaré. Junto com Jesus e os primeiros apóstolos, Maria também foi convidada. A presença de Maria e principalmente sua atitude no decorrer dos acontecimentos parece sugerir que ela era parente próxima ou muito amiga da família dos noivos.

Em Israel antigo, as festas de primeiras núpcias duravam normalmente 7 dias, e em cada dia frequentavam a festa diferentes convidados, que eram muito numerosos.Parece que Jesus e os seus chegaram nos últimos dias, o que explica porque o vinho estava para acabar. Embora essas festas fossem cuidadosamente preparadas, a ida e vinda de tantos convidados por uma semana podiam esgotar as provisões. A falta de vinho era considerada uma vergonha, visto que era a bebida mais apreciada entre os judeus. 

 

A atitude de Maria -: não se pode saber, pela narrativa, se Maria percebeu a falta de vinho por ela mesma ou se os pais dos noivos contaram a ela (em ambos os casos, isso significa que ela estaria ajudando na festa; nesse caso, Maria deveria ser íntima da casa). Resolveu então pedir a Jesus que não deixasse os noivos e seus pais passarem por essa vergonha.

Podemos até imaginar a cena: Maria chama Jesus a um canto e diz baixinho: “Eles não tem mais vinho”. Ora, se Maria não tivesse noção do que Jesus podia ou não fazer, não teria tido essa atitude. Mais do que contar um fato, parece que Maria queria que Jesus resolvesse o caso rapidamente. No entanto, as palavras de Jesus a Maria parecem exprimir uma indiferença total ou até mesmo uma falta de respeito: “Que há entre mim e ti, mulher? Ainda não chegou a minha hora”. A interpretação dessas duas frases de Jesus é de uma importância vital para que se perceba a importância que Maria tinha, junto a seu Filho.

Os protestantes acham que essas palavras bastam para significar que Jesus disse a Maria que uma vez cumprida sua tarefa de mãe, não mais deveria se intrometer com sua missão.  Seria o mesmo que Jesus dissesse a Maria que não metesse o nariz onde não era chamada, ou alguma coisa parecida. Já os católicos interpretam que Jesus, apesar de sua resposta, fez exatamente o que Maria queria. Isso só pode significar que a vontade da Mãe era uma ordem para o Filho. Nós sabemos que é exatamente isso: a intervenção de Maria é capaz até de mudar a vontade de Jesus. Então, por que essa resposta aparentemente desrespeitosa? Vamos estudar as duas frases.

 

Começando pela primeira: “Que há entre mim e ti, mulher?”. Essa resposta, traduzida para o português, dá uma impressão muito forte de aborrecimento e de recusa. No entanto, é preciso conhecer a língua aramaica não só na tradução, mas também nas expressões idiomáticas. “Que há entre mim e ti” significava mais ou menos dizer “vamos deixar quieto, isso não é danossa conta”. Imaginem um estrangeiro querendo, sem conhecer bem a língua, interpretar a frase “Fulano é o rei do pedaço”. É o mesmo caso. Jesus deve ter pronunciado a expressão “mah-lek”, ainda hoje comum na Palestina, que pode ter  dois significados, segundo a entonação que se dá a ela: “O que nos importa?” ou “Isso é comigo”.  

Dizem também que Jesus poderia ter sido mais carinhoso e não tratar a sua Mãe como “mulher” e sim dizer “senhora”. Outra bobagem. O judeu não trata ninguém, a não ser Deus, de “senhor” e, por extensão, de “senhora”. A palavra “mulher” era, na época, um termo respeitoso e equivalia a “senhora”. Lembram-se das palavras de Jesus a Maria na cruz, quando a entregou aos cuidados de João? “Mulher, eis aí o teu filho . .” Isso soa desrespeitoso? E finalmente, qual foi a entonação com a qual Jesus pronunciou essas palavras? 

 

Era a hora de Jesus? -: a segunda frase parece mais fácil de ser interpretada: “Ainda não chegou a minha hora”. Jesus parece estar se referindo ao fato de que talvez ainda fosse cedo para manifestar o poder que possuía. Realizando um milagre, qualquer que fosse ele, estaria revelando que não era um rabi comum, como tantos outros que havia em Israel, mas uma pessoa diferente, com poder de realizar milagres. Provavelmente, achava que não devia ainda manifestar-se como o Messias prometido. No entanto, fez o que ela pediu. É aí que aparece toda a consideração que Jesus tinha por sua Mãe: “ainda é cedo para me revelar, mas já que foi a minha Mãe que pediu . . .” , deve ter pensado. Querem amor maior que esse? Jesus demonstrou que nada nega à sua Mãe.

            A ação seguinte de Maria termina por tirar quaisquer dúvidas que se pudesse ter a respeito do verdadeiro significado das palavras de Jesus. Maria não precisou discutir com Ele. Assim que Jesus lhe respondeu, virou-se para os criados e disse: “Façam tudo aquilo que Ele lhes disser”, demonstrando ter certeza de que Jesus daria um jeito naquela situação. Se Jesus tivesse lhe respondido com desrespeito e agressivamente, Maria não teria tido aquela certeza. 

 

O melhor vinho -: João diz que no salão da festa havia 6 talhas  de pedra. Eram essas talhas capazes de conter entre 80 a120 litros, de acordo com o seu tamanho. Era  costume dos judeus deixar essas talhas cheias de água, para que os convidados, ao chegar e ao sair, pudessem lavar as mãos e os pés. Por ordem de Jesus, os criados encheram as talhas até às bordas com água e, como por encanto, toda aquela água (entre 480 e 720 litros, dependendo do tamanho das talhas) transformou-se em vinho da melhor qualidade. O mestre dirigente da festa até censurou o noivo por ter guardado o melhor vinho para o fim da festa, ao contrário do que se fazia comumente.

Foi o primeiro milagre de Jesus e certamente um dos mais importantes para nós, visto que nos mostrou o poder da intercessão de Nossa Senhora.

 

Site criado com o sistema Easysite Empresarial da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA