Quero fazer Cursilho
Escola Vivencial
Deixe seu recado
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
Aula 13/2010

 

 

ESCOLA VIVENCIAL DO GED DE PIRACICABA – 2010

 

 

        

 

 

13- CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO

 

 

(Itens 484 a 507 do Catecismo da Igreja Católica)

 

Começa a plenitude dos tempos -: A Anunciação do anjo Gabriel a Maria inaugura a chamada “plenitude dos tempos”, isto é, o cumprimento das promessas de Deus. Maria é convidada a conceber aquele que será o Messias Redentor, Deus feito homem. À sua pergunta de como isso seria feito, a resposta é: “O Espírito Santo virá sobre ti” (Lc 1, 35). A missão do Espírito Santo está sempre ligada à missão do Filho. Ele é o “Senhor que dá a vida” citado pelo Credo Niceno-Constantinopolitano, fazendo com que Maria conceba o Filho de Deus. Ao ser concebido como homem, o Filho de Deus é o “Cristo”, isto é, o Ungido pelo Espírito Santo.

 

Nascido da Virgem Maria -: Para tornar seu Filho um homem, Deus quis a colaboração de uma criatura humana. Por isso, desde toda a Eternidade, Deus escolheu uma filha de Israel, “uma jovem judia de Nazaré desposada com um homem chamado José, da casa de Davi, e o nome da virgem era Maria” (Lc 1, 26 – 27). 

 

 

         Ao longo de toda a Antiga Aliança, a missão de Maria foi preparada pela missão de outras mulheres: no princípio está Eva, que seria a “mãe de todos os seres viventes”,

a despeito de sua desobediência. Sara, esposa de Abraão, concebe um filho apesar de sua idade e da condição de estéril. Ana, mãe de Samuel, Débora, Rute, Judite e Ester são outras mulheres que participam do plano de Deus para o cumprimento da sua promessa. Com Maria, finalmente, completam-se os tempos e começa a nova era.

 

A Imaculada Conceição -: Para ser a Mãe do Filho de Deus, Maria foi enriquecida por Deus com dons dignos desta função. O anjo Gabriel a chama “cheia de graça”. Efetivamente, para ser a Mãe de tal Filho, era preciso uma criatura totalmente movida pela graça de Deus. O dogma da Imaculada Conceição, proclamado em 1854 pelo Papa Pio IX, diz o seguinte: “A beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda mancha de pecado original”. Pela graça de Deus, Maria permaneceu pura de todo pecado pessoal ao longo de sua vida.Ao saber que conceberia o Filho do Altíssimo sem conhecer homem algum, Maria respondeu com a obediência provinda de sua fé. “Eu sou a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a sua palavra” (Lc 1, 37 – 38). Assim, Maria entregou-se totalmente à obra de seu Filho, para servir ao mistério da Redenção.

 

A virgindade de Maria -: Desde o princípio aclamada como Mãe de Deus, a Igreja professa ainda que Jesus foi concebido em Maria exclusivamente pelo poder do Espírito Santo. Os doutores da Igreja vêem na conceição virginal o sinal de que foi verdadeiramente o Filho de Deus que veio a uma humanidade como a nossa. Os relatos evangélicos entendem a concepção virginal como uma obra divina que ultrapassa toda a compreensão humana. Quando José manifestou sua incompreensão acerca da gravidez de Maria, o anjo o adverte: “O que foi gerado nela vem do Espírito Santo” (Mt 1, 20).

 

 

A Igreja ensina ainda que Maria permaneceu virgem durante toda a sua vida. Desde o início, a Igreja chama Maria de “Aeiparthenos”, que significa “sempre virgem”.

            Jesus é o filho único de Maria. Mas a maternidade espiritual de Maria estende-se a todas as criaturas que Ele veio salvar. Algumas vezes, os Evangelhos mencionam os irmãos e irmãs de Jesus, mas a Igreja sabe que essas passagens não designam outros filhos da Virgem Maria: por exemplo, Tiago e José, chamados “irmãos” de Jesus (Mt 13, 55), são filhos de uma Maria discípula de Cristo, que é designada como “a outra Maria” (Mt 28, 1). Trata-se de parentes próximos de Jesus, possivelmente primos, que entre os judeus, eram tratados como “irmãos”.

 

A maternidade virginal de Maria nos desígnios de Deus -: Por que Deus quis que seu Filho nascesse de uma virgem? Várias razões podem ser expostas:

 

 

1-A virgindade de Maria mostra que Deus desejou que seu Filho tivesse um só Pai: Deus mesmo;

2- Jesus inaugura a nova criação: “o primeiro homem (Adão) vem da terra, o segundo homem (Jesus) vem do céu” (1Cor 15, 17);

 

 

3- “Como se fará isto?” pergunta Maria ao anjo. A resposta de Gabriel mostra que o Espírito Santo vai fazer a sua obra e que Maria continuará virgem;

 

 

4-Maria é virgem porque sua virgindade é o sinal de sua fé e de sua obediência à vontade de Deus. Se assim não fosse, ela não faria a pergunta do item 3.

 
 
 

Maria, Virgem e Mãe -: Maria é ao mesmo tempo virgem e mãe porque ela é a figura mais completa e perfeita da própria Igreja, que também é mãe. Pela pregação do Evangelho e pelo Batismo, a Igreja gera para a vida nova os seus filhos, também renascidos no Espírito Santo quando batizados e convertidos à fé cristã.

1         

 
 

Site criado com o sistema Easysite Empresarial da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA