Quero fazer Cursilho
Escola Vivencial
Deixe seu recado
Aumentar fonte  Diminuir fonte  Indicar esta página  Imprimir esta página
Aula 14/09/15 - O Lava Pés

ESCOLA VIVENCIAL DO GED DE PIRACICABA – 2015 

O LAVA-PÉS

(14/Setembro/2015)

 

A hora de Jesus -: Depois da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, os Evangelhos retomam a narração, com uma datação exata, que conduz diretamente à Última Ceia. Na abertura do seu capítulo 14, Marcos começa escrevendo: “A Páscoa e os Ázimos seriam dois dias depois” (Mc 14, 1) ; em seguida fala da unção em Betânia, onde uma mulher derramou sobre a cabeça de Jesus um frasco de perfume caro, e do início da traição de Judas, que foi tratar com os fariseus da entrega de Jesus. Após isso, Marcos retoma o fio da narrativa da Páscoa, escrevendo: “No primeiro dia dos Ázimos, em que se imolava o cordeiro pascal, os discípulos perguntaram a Jesus: Onde queres que façamos os preparativos para comeres a Páscoa?” (Mc 14, 12).

            Na carta de S.Paulo aos Filipenses (Fp 2, 7-8), está demonstrado com força admirável o significado maior do gesto de Jesus na Última Ceia, ao lavar os pés dos discípulos: num gesto contrário ao de Adão, que tentou com suas forças humanas tornar-se divino, Jesus, com um gesto simbólico, desceu da sua divindade e tornou-se plenamente homem, assumindo a “condição de servo” e “fez-se obediente até à morte, e morte de cruz”.

            Com o lava-pés, Jesus demonstra o conjunto de sua missão redentora. Despoja-se do seu esplendor de Filho de Deus, ajoelha-se (simbolicamente, diante de nós), lava e enxuga nossos pés sujos, para nos tornar capazes de participar do Reino de Deus.

 

Os conceitos de pureza -: no texto do Lava-pés, a palavra “puro” aparece três vezes. Segundo os Evangelhos, e mesmo segundo os ensinamentos de quase todas as  religiões, para poder comparecer diante de Deus e entrar em comunhão com Ele, o ser humano deve ser “puro”. Porém, quanto mais nos tornamos conscientes disso, mais “sujos” nos sentimos, e temos a necessidade de nos limpar. Por isso, as religiões todas criaram sistemas de “purificação”, com a finalidade de dar ao ser humano a possibilidade de acesso a Deus. No judaísmo do tempo de Jesus, o sistema de purificação dominava a vida inteira da pessoa. Esse sistema levava á grandes absurdos, onde os rituais eram mais importantes do que a pureza da alma. Por exemplo, a pessoa que não fizesse as abluções higiênicas antes de comer era considerada impura. Impuras eram as mulheres durante o período da menstruação, não podendo nem mesmo adentrar o Templo. Também impuros eram os infelizes que contraiam a lepra, sendo obrigados a viver em isolamento total. Havia por volta de 613 “mandamentos” do judaísmo que as pessoas eram obrigadas a observar, para que fosse considerada “pura”.

 

Os conceitos de Jesus -: no Evangelho de Marcos, vemos a “virada” radical que Jesus deu ao conceito de pureza diante de Deus: não são as ações rituais que purificam. Pureza e impureza estão no coração do ser humano e dependem do que predomina nele. Então, nos defrontamos com algumas perguntas: Como se torna puro o coração? Quem são os homens de coração puro, que verão á Deus? Muitos teólogos cristãos dizem que Jesus teria substituído o conceito de pureza ritual pelo conceito de pureza moral. Dessa forma, o cristianismo seria essencialmente uma moral, uma forma de agir com ética. Mas isso não faria justiça ao pensamento de Jesus.

            A verdadeira pureza de coração transparece quando, nos Atos dos Apóstolos, Pedro enfrenta os fariseus convertidos ao cristianismo, que exigem que os cristãos vindos do paganismo sejam circuncidados, e que observem as leis de Moisés. Pedro então diz: “Irmãos, vós sabeis que, desde os primeiros dias, o Senhor me escolheu dentre vós para que os gentios ouvissem de minha boca a Palavra do Evangelho e cressem (...) Deus não fez distinção alguma entre nós e eles, purificando seus corações pela fé” (At 15, 5-9). Então, é pela fé que o coração é purificado. A fé se origina do fato de Deus se voltar para o ser humano. Não se trata simplesmente de uma opção do homem. A fé nasce porque as pessoas são tocadas interiormente pelo Espírito Santo, que lhes abre o coração e o purifica.

 

O Lava-pés -: no capítulo 13 do Evangelho de João, o lava-pés realizado por Jesus apresenta-se, conforme já foi dito, como o caminho simbólico da purificação. Na realidade, a lavagem que nos purifica é o amor de Jesus, o amor que se entrega até a morte. Foi por isso que Pedro, resistindo à ideia de ter os pés lavados por Jesus, foi pelo Mestre repreendido. João conta que Pedro disse a Jesus: “Jamais me lavarás os pés”, ao que Jesus lhe responde: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo” (Jo 13, 8). Depois de lavar os pés dos discípulos, Jesus os reúne e diz: “Compreendeis o que vos fiz”? (...) Se, portanto eu, sendo Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros (Jo 13, 12-14).

            Em outras palavras, se Jesus se humilha perante o ser humano, quanto mais humilde deverá se tornar o ser humano perante Deus e perante o próximo? Se não nos tornarmos humildes e não “lavarmos os pés” de nossos próximos, corremos o risco de ouvir de Jesus aquelas palavras que Pedro ouviu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”. Deixemos que Jesus nos dê seu amor, lavando nossos pés, mas não esqueçamos de também “lavar os pés” de nossos irmãos.

 

Site criado com o sistema Easysite Empresarial da eCliente.
ECLIENTE INFORMÁTICA